sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Delírio Húngaro

I.

Tal como a Morfina, tiro a dor ao homem
Quem me olha nos olhos nunca mais será livre
Sou a mulher mais bela de todas as mitologias
Sou o paraíso em vida – o mais perigoso de todos,

Sou loucura criadora
Patrícia, a Irmã de Deus
Os meus filhos são todas as coisas,
Todas as possibilidades minhas filhas


Induzo os mais complexos suicídios,
Dou a vida e tiro a vida e não acho isso bem nem mal porque sou uma flor e as flores não julgam – são indiferentes e tristes
Aconselho os românticos alemães a pegarem nas suas espingardas e a lutarem por causas inúteis
Meto-lhes pólvora nas armas,
Provoco-lhes os Maiores prazeres


Sou feita de carne e não de luz –
Sou Nossa Senhora do Pólo Norte
a ver o sol derreter-se
e pingar sobre o gelo:


..................................................................


II.

Sou o sonho de um camelo deficiente
O delírio das gémeas siameses
O pesadelo de quatro girafas recém nascidas
A paralisia é o contrário de Deus
- dizias
Por baixo das minhas saias, afago-te a cabeça -
Sou as cinzas de um ditador a voar no bico de um corvo
todos os vendedores de marmelada na fronteira do Iraque
Por baixo das minhas saias - torna-se bem evidente que te amo


………………………………


III.

Sou a possibilidade –
Na minha boca os bois lavram os campos,
Deixam as marcas carolinas das suas patas
O arado escreve na minha língua uma rima de Petrarca
Em letra carolina da mais perfeita caligrafia
Mi fluorescente métrica nova
La porole ideal,
As fadas papistas de tule
Lambuzam-se de geleia e compotas
Sonhos: os mais doces, por exemplo
África partiu-se ao meio
Na minha boca África inteira
Na minha boca os bois lavram os campos
Link, link, link, link


IV.

O medo de ficar sozinha, com a deusa da fertilidade a roer-me o
Útero
Os desejos mais fundos – de um operador de gruas
A boca cheia de neve
Os cabelos a arder ao som da música – ruivos – os phones !
As nuvens do sonho são menos bonitas
Flocos de neve em Bruxelas, os anjos aquecem-se



Percorro todos os dias uma auto estrada de prata que vai
Até ao centro da tua alma
O prazer está em cada átomo
Em cada átomo – o universo


Os pasteleiros batem a massa em toda a Hungria
na Alta Hungria
E na Baixa Hungria
Amanhã os meninos húngaros, os mais gulosos -
os pasteleiros húngaros, os mais tristes
Olha para mim nos olhos
tenho os olhos tristes, dizias:
Os mais tristes de todos


Violeta de Gand, 19-10 -2008
Nuno Brito 2008

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

COISAS DE PARTIR

Tento empurrar-te de cima do poema
para não o estragar na emoção de ti;
Olhos semi-cerrados, em precauções de tempo,
a sonhá-lo de longe, todo livre sem ti.


Dele ausento os teus olhos, sorriso, boca, olhar:
tudo coisas de ti, mas coisas de partir...
E o meu alarme nasce: e se morreste aí,
no meio do chão sem texto que é ausente de ti?


E se já não respiras? Se eu não te vejo mais
por te querer empurrar, lírica de emoção?
E o meu pânico cresce: Se tu não estiveres lá?
E se tu não estiveres onde o poema está?


Faço eroticamente respiração contigo:
primeiro um advérbio, depois um adjectivo,
depois um verso todo em emoção e juras.
E termino contigo em cima do poema,
presente indicativo, artigos às escuras.



Ana Luisa Amaral
O tempo é uma provação da mágoa
Não é um remédio -
Tal provaria, se fosse um remédio,
Que não existia doença.



Emily Dickinson in Bilhetinhos com poemas

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Ívan o terrível no Alentejo - Alexandre Pinheiro Torres

Ívan o terrível no Alentejo


Foi exibido pela primeira vez nesta aldeia
não longe do Torrão onde nasceu Bernardim
Ivan o Terrível O ecrã era um lençol enorme
estendido como um olho branco entre dois sobreiros


Os camponeses fitaram esse olho inquieto cheio
de sombras de lírios durante horas sem fim
Ou era que a eternidade concentrara
por detrás do pano o magnetismo do mundo


Muito mais tarde os camponeses regressaram
através da charneca Com eles ia o olho branco
levando-os pela mão E ajudava as crianças
a atravessar esperanças apenas de riachos


Chegaram por fim às suas cabanas Tarde
E pela primeira vez os homens esperaram que as mulheres
se descalçassem e se lavassem da poeira
do caminho Depois beijaram-lhes os pés


Os pares de namorados foram ainda procurar
résteas de um seco rio Num pequenino charco
procuraram em vão rosto de Ivan Mas ele ardia
alto e ardia ainda num céu de pano branco


Alexandre Pinheiro Torres in "Círculo de poesia" - Moraes Editores 1981

Adília Lopes - O meu tempo

Agora as pessoas
não sabem morrer
estar doentes
sofrer
ter prazer
tocar-se

dantes também não
( Ó mais nu
e branco dos homens)


Adília Lopes in "O Peixe na Água" E etc.

Luiz Pacheco

XXVI

Melhor que a mulher é o vinho
que faz esquecer a mulher...
que faz dum amor já velhinho
ressurgir novo prazer.


Finale, muito católico

XXVII


Asiim termina o Lamento
pois recordar é sofrer.
Ama e fode. É bom sustento!
E por nós reza um pater.


Luiz Pacheco in "Coro dos Cornudos" - Contraponto

SESSÃO DE POESIA MEXICANA - CAFÉ PROGRESSO / POETRIA




A Livraria Poetria realiza uma sessão de "Poesia mexicana" no próximo dia 2 de Outubro, pelas 21,30h. no Café Progresso, com leitura de poemas por José Carlos Tinoco, Cláudia Novais, Nuno Meireles e Susana Guimarães.

Será servido um cálice de tequila.

domingo, 28 de setembro de 2008

Emily Dickinson

657


Habito na possibilidade -
Uma casa mais bela do que a prosa –
Com mais janelas –
E portas - maiores

Salas como Cedros –
Que o Olhar não alcança –
E como Tecto Imperecível
Os limites do Céu –

Visitantes – os mais belos –
Ocupação – Esta –
Abrir ao máximo as minhas Mãos finas
Para colher o paraíso -



Emily Dickinson – tradução de Nuno Júdice

Os três pastorinhos búlgaros

Nossa Senhora não se esquece da Bulgária,
Depois da escola os três pastorinhos vão lanchar
Pães com manteiga molhados no café com leite
Leite quente – faz frio – na montanha
Muito frio na montanha BRRHh


Nossa Senhora não se esquece do povo búlgaro,
Dá-lhes frio quando é preciso e sol quando é preciso,
Quando é preciso os búlgaros também têm neve,
As ovelhas sobem a montanha seguindo os passos dos
Três pastorinhos – sobem as ovelhas, sobem as pessoas,
descem as ovelhas, descem as pessoas
descem a montanha, as pessoas e as ovelhas


Nossa senhora não se esquece da Bulgária
Aparece sempre bela e provocante aos búlgaros
no seu vestido de seda vermelha,
braços macios, não feitos de luz, mas de carne humana
ajoelham-se diante dela á sombra duma oliveira
Os três pastorinhos búlgaros


Nuno Brito 2008

Sylvia Plath - Daddy

Mário Cesariny - Há uma hora

sábado, 27 de setembro de 2008

As idólatras formigas do mal

O vento frio assobia e corre dentro do osso
Voando triste de um lado ao outro do esqueleto;
Sem medo,
Percorre-o até ao arrepio,
Os ossos das mãos, os finos ossos dos dedos,
As extremidades violentas das pessoas dentro dos carros pretos,
Passa um barco a apitar de uma ponta à outra do crânio


A medula, a caixa craniana ressoa
Quando batida como um tambor contra os faróis de um camião
A medula, A caixa craniana,
Os ossos das mãos, os finos ossos dos dedos
A Rússia inteira com fome,
Com todos os seus dedos e articulações

Sagrada família esculpida em açúcar
apocalipse em braille…
As idólatras formigas do mal comem um menino Jesus de açúcar



Nuno Brito, 2008

A Fome da primeira Loba

I.

A menina sem braços tenta alterar a ordem das coisas,
A menina sem braços, ela
Só ela, claro, consegue alterar a ordem das coisas, Ela
Só ela claro,
a menina é loba e tem leite e fertilidade
Como só as grandes lobas, tem realmente Poder
A menina não é Deus
A menina tem mais sangue e é mais coisa …


II.

Não é real o menino com fome
Não é real o dragão
Não é real o tiro na boca
Não é real
A lama a entrar na veia
Não é real,
Não é real,

Não é real…


III.



É urgente acabar com todas as guerras, porque há mais guerras em espera que só podem começar quando estas tiverem acabado. E as nossas metralhadoras, a quem as podemos vender senão aos nossos inimigos e aos filhos deles? Para que ao menos eles tenham qualquer coisa com que nos atacar, não somos assim tão cruéis. Damos-lhes as pedras com que nos atiram à cara.


IV.

Onde há ursos polares há repórteres a fotografarem ursos polares
Ou a comerem ursos polares,
Onde há petróleo há xerifes de turbante a injectar leite condensado directamente no osso …


O pasteleiro bate a massa e isso é natural
O vidreiro esculpe o vidro e isso é natural…


V.

Que se foda todo o simbolismo,
Aqui temos pessoas a sério de carne e osso
Físicas e não simbólicas
Pasteleiros, montadores de andaimes, condutores de gruas, exorcistas,
Todos pagam o IRS a tempo,
Todos choram ao fim do dia, em frente aos crucifixos invisíveis do pensamento

Todos vêm os jogos do Chelsea!



Os pasteleiros amassam a massa e acreditam na vida além da morte.
Os vidreiros esculpem o vido e acreditam na vida além da morte.




Os vidreiros sopram a cerâmica, a platina, o gesso
As gaivotas e os albatrozes ficam com as patas presas no petróleo e isso é natural. Às vezes uma borboleta é atingida involuntariamente por um esguicho de urina e as suas asinhas não conseguem mais bater. Uma dolorosa morte que de tão natural e pacífica ultrapassa todas as melhores visões do Universo… O assassino da natureza entra depois no seu carro e segue o seu caminho…





VI.

Pelas costas frias de mármore sobe um caracol …
RIP
Indiferente à vida e à morte
pelas asas de mármore de um anjo-menino

Costas de mármore,
Esculpida.
Cimentar, fortalecer uma relação.

………………………….

Construir laços, de quê?

Mudar os gestos
mudou
foi,
A lâmpada partiu-se mas contínua acesa…



Nuno Brito - 2008

Exorcismo ao pasteleiro do século XXI

I.



Elas dormem de mãos dadas em Minamara
As duas gémeas
Com as suas cabecitas encostaditas,
Como duas lobas com toda a fertilidade
As duas meninas ainda sem mamas
São mais braços e pernas entrelaçadas que outra coisa
Num labirinto pouco geométrico mas muito quente
uma respiração única
A febre causa-lhes um único sonho delirante:
Por toda a cidade estão a enforcar girafas no cimo das gruas.


Por todo o lado há girafas mortas amarradas no cimo das gruas
Às vezes cavalos brancos também são enforcados
As duas gémeas continuam abraçadas
Agora com uma respiração mais rápida e ofegante


As duas meninas são já uma só coisa…
O vento atira-lhes areia para a cara.




II.

Sai droga do olho de Maria
Jesus partiu-se ao meio e tinha cocaína dentro,
Os carneiros e os bois também se partiram em bocados…
A porcelana está mais assustadora
Maria injecta o caldo na veia…



III.

Não há droga no bairro chic
Hoje vais ter que injectar vinagre chic…





IV.

Poderoso vidente trabalha amarrações fortíssimas
Precisa-se cortador/a para trabalhar no talho

Dinheiro: empresto na hora sobre o seu carro e também sobre casas
Tel: XXXXXXXXXXX

Um crucifixo fluorescente e extremamente triste cumpre a sua missão
O pescador contínua sem aparecer,
os pescadores nunca aparecem


Nuno Brito, 2008

Pudim de droga

No Aleixo as pessoas têm dores violentas,
Em Freiburg também
Às vezes no Aleixo uma língua de mármore engole uma criança,
Roubada aos pais no meio da noite
– as mães que dormem têm de sentir culpa -
As crianças são levadas para o inferno,
passam a ser alimentadas a pudins de droga
Doces pudins que fazem delirar,
Fazer coisas más

Cogumelos que fazem ver luzes
crescem nos bosques do Aleixo
As fadas vão comprar toalhetes
no intervalo entre os clientes

No bosque do Aleixo, as musas…

Para lá do bosque do Aleixo está
O povo, filosoficamente caracterizado dentro
dos seus apartamentos – todos abanam as línguas – todos têm cabelos a roçar
por trás do ouvido – Quando chove no bosque
do Aleixo, as musas vêm cá fora apanhar a roupa,
Ao sábado no bosque do Aleixo um velho planta nabos
Tem cinco metros quadrados e unhas sujas –
As seringas no chão são chupadas pelos ratos
Os preservativos esquecidos no meio do bosque
Ainda com sémen desperdiçado – Os ratos vêm comer os preservativos
Para lá do bosque do Aleixo está o povo filosoficamente caracterizado
Para lá está o cinema, a filosofia, a vida!

Sonho violento de uma girafa recém nascida

I.
A embriaguez do corpo,
A embriaguez dos gestos,
Mãos entrelaçadas, braços pernas…
Adoro quando te vens dentro de mim
Adoro quando ficas e explodes dentro de mim!

II.


Sylvia Plath liga o forno
Mussolini gesticula violentamente
Ainda depois da delapidação?
link link link link …




III.

Um finíssimo fio de gelo sobe e desce pela espinha dorsal dos paralíticos
Está revestido a seda e por ele circula informação muito secreta
Faz com que os homens não caiam

Pesadelo para quatro gémeos indianos

Não chore senhor lobo!
Os profetas comem os seus pães com marmelada
nas traseiras de uma fábrica de empilhadores.
e ainda há petróleo dentro da esfinge


Não chore senhor Lobo!
A fome é uma alucinação das fadas guineenses,
A energia nuclear também serve para iluminar os quartos das meninas assustadas.
Os pais vêm ao quarto dar-lhes um beijo na testa macia
Não chore senhor lobo
As catanas também são utilizadas para cortar melancia.

não chore senhor lobo, não chore senhor lobo

Labirinto com touro dentro

No meio do labirinto dorme um touro de sonhos violentos
No meio do labirinto dorme uma menina de sonhos violentos
A meio do sonho, a menina bebe o leite
O leite que acalma as meninas e os touros,
O leite de uma fêmea jaguar que descansa no meio dos morangos,
Com as facas aguçadas os talhantes tentam entrar no labirinto
Para matar o touro, porque não acreditam em mitologia
E porque os mitos não alimentam ninguém.
Os homens do talho vão depois pagar os seus impostos,
Teseu também está com a ficha de IRS ainda por preencher
Declara às finanças que tentou matar um touro,
As virgens fazem um broche ao touro
O touro vem-se para dentro de uma taça dourada
A bebida que está na taça não é mitológica
Nem simbólica


Com o seu vestido da cor do vinho e com as suas tranças
Chora para dentro do leite
Chora leite para dentro do leite
Chora no seu labirinto…






Nuno Brito 2008

quinta-feira, 27 de março de 2008

Antiga Escritura

Deposito todas as minhas energias em ti
nuvem, montanha, rapaz, céu, égua, sol


deposito toda a energia e confiança em ti
Ceroulas, couve, água, limão, Bomba atómica
Deposito toda a minha confiança em ti
homem que lês, homem que és muro

eu sei (como todos) que sou pedra
e sei que sou muro
e sei que sou homem a urinar contra muro,
Na Turquia ou no Curdistão, ou nas Ilhas Sandwich, ou no Texas
Muitos homens urinam contra muros
ao mesmo tempo
Eu sou urina
e poça e arepio,

e riacho de urina quente a ferver

em paralelo perfeitamente moldado por mãos de homem






---------------------------------
Ontem comi doze gelatinas

rezei a Deus
lavei as mãos e a boca


---------------------------------

Sou feito de futuro,
eis a minha matéria,
tomai e bebei
este é o sangue eterno que será derramado por vós...



----------------------------------


Daqui a 15 milhões de anos
um dinossauro vai sair de dentro da sua gelatina glaciar
para escrever
a antiga história dos homens

quinta-feira, 20 de março de 2008

Carruagem Imperfeita

De onde é que vem esta necessedidade bestial e impotente de comer o mundo?
Os outros homens também sentem isto.
Todos os homens querem de vez em quando comer o mundo

Eu quero todos os homens com os seus erros, as suas falhas, os seus arrepios ...
Quero abraçá-los todos (comer será pedir de mais?) Porquê o afecto ter sempre a ver com a boca? A sede, as mamas, os beijos, Porquê a boca? Porquê todas as bocas? Porquê a boca ?
Porquê as palavras?

Prefácio Náutico

Tenho estas mãos
Para mudar o mundo
Ou para te sentir os cabelos
O que é o mesmo,
como todos sabemos


----------------

as mãos suam e bebem de ti e suam e precisam de ti

Carta ao tribunal

Cartas do tribunal,
Recibos das Finanças.
Facturas, talões, 2002/2003
Recibos de gasolina, cheiro a gasolina, manchas de gasolina
camionista, travôes e morte etc.
-------------------------------------------
Fractura na espinha
E Fractura no colon
E Múltiplas fracturas no braço e na perna
Radiografias mais radiografias
E Tetraplégicos e Jesus Cristo
e jesus Cristo;
Cartas de tribunal e Jesus Cristo
E Recibos de IRS e
Jesus Cristo - Fractura na espinha e
------ -----
Reza...
Menina reza,
Para dentro
Reza
Menina Reza
Para dentro


Tenho apenas um bocado de sede...
Dás-me da tua água? Por favor menina dás-me da tua água!?
A que levas

dentro das mãos
Não é água que eu quero, são as tuas mãos molhadas
-------

Só hoje percebi (não tarde de mais)
que o único poeta do mundo é cobrador de impostos.

quarta-feira, 19 de março de 2008

Canárias

Saia a doença

SAIA A DOENÇA DO TEU PEITO E DA TUA CABEÇA... E DA TUA CABEÇA
SAIA
A
dOENÇA
de ti!
Vá ela para a montanha... Suba a montanha e transforme-se em montanha...

Saia a doença do teu peito e da tau cabeça,
Vá ela para o deserto e seja ela só deserto...

Sente apenas o vento fresco na cara,
Nos braços e dentro dos braços...

As tuas mãos,
Que passem a curar as tuas mãos
Que passem a curar ainda mais as tuas mãos,
e
os teu olhos que Dêem mais vida!
E os teus cabelos que atraiam mais VIDA!
E que as tuas mamas dêem vida e sumo fresco.
E que o teu sorriso faça nascer crianças

terça-feira, 18 de março de 2008

Campeonato Mundial dos Conceitos Vazios

1ºBons 7 Pontos
2ºMaus 7 pontos
--------------------------
3ºTerrorismo- 7 pontos
4ºCapitalismo - 7 pontos
5ºLiberdade - 7 pontos
-------------------------
6ºIgualdade -7 Pontos
7ºFraternidade- 7 Pontos
8º Shalke 04 -3 Pontos

8ª jORNADA:

Liberdade 4- Terrorismo 4
Igualdade 2 - Fraternidade 2
Bons 0 - Maus 0


Próxima Jornada:

Capitalismo - Maus
Igualdade - Terrorismo
Liberdade -Bons
Shalke 04 - Fraternidade

Campeonato Mundial das Ideias Caducas

segunda jornada:

Bem 2- Mal 2
Brasil 3- Suiça 1

Classificação à segunda jornada

Brasil 6
Bem 4
Mal 4
Suiça 0

domingo, 9 de março de 2008

"A Felicidade Consiste em se querer ser o que se é"

Erasmo de Roterdão

Girafas a Arder - Dali


O Dinossauro Dactilógrafo

Eles são pessoas sérias!
Tomam banho uma vez por semana!

Oh caro amigo!
Sabe a história do dinossauro dactilógrafo?
Não sabe?
Como é possível?
Toda a gente sabe a história do dinossauro dactilógrafo
Era uma vez um dinossauro que queria escrever um poema de amor
Mas não tinha caneta…
Assim foi falar com outro dinossauro que tinha um escritório de advocacia.
Para dizer verdade, este dinossauro não era um advogado de facto, era-o de direito.
Mas não de facto, mas adiante, vou-lhe poupar alguns pormenores que não interessam… O dinossauro às vezes no fim do trabalho como tinha uma máquina de escrever…
Era um dinossauro muito sério!
Tomava banho uma vez por semana!

O Faraó

O faraó passava as tardes a jogar tétris...
Os escravos empurravam as peças de acordo com um sistema de cordas,
As peças desciam à medida que os escravos iam soltando a corda dos rolamentos,
De acordo com as decisões do faraó os escravos tinham que rodar e encaixar as peças umas nas outras. Em baixo alguns escravos retiravam as que já não eram necessárias. O contramestre sentado num balcão dourado, decidia quais as próximas peças a sair. Acorriam espectadores do alto e do baixo Egipto e também vinham estrangeiros que estacionavam os seus camelos em frente ao grande templo de jogo para ver o faraó a jogar. Os escravos a serem chicoteados pelos capatazes, a rodarem as peças, a encaixá-las. Cada linha era celebrada pelo país inteiro.

sábado, 8 de março de 2008

Sinfonia Nuclear para dois cravos e uns Búzios








Se soubesses Deus
como te amo por seres isto tudo...

A Nova Arqueologia




ALLEGRO Nº 1

Olha! Inventaram as estrelas,
E criaram os pântanos,
E girafas , touros e zebras
Há laranjas redondas para serem comidas
Há cegonhas e baleias,
Pinguins e elefantes,
Há também elefantes de duas patas e sem tromba
Com dois braços e com pêlos no cimo da cabeça
Que falam como papagaios.
Obrigada Deus maluco!
Pela eterna loucura que nos deixaste.
Que Deus abençoe o homem do talho!
Que Deus abençoe o homem do talho!
Que Deus abençoe o homem do talho!

S
Que Deus abençoe os que vão dentro do autocarro
E os que vão dentro do metro
E todos os que vão fora do autocarro e fora do metro

A Vida depois da Vida




Playstation



Amo-te meu pequeno anjo
E a minha capacidade de amar é infinita
E a minha capacidade de morrer é infinita
E a minha capacidade de regenerar é infinita

E a minha sede... E a minha sede... E a minha sede

o homem do talho

Tenho o sonho de mudar o mundo... E tenho outros sonhos
Sou sincero Sunny, sou sincero porque acredito em tudo: Acredito na Ciência, na fé, no ocultismo e no homem do talho, sobretudo no homem do talho!
Tenho uma confiança inabalável nesse homem: Sunny: Se soubesses como amo o homem do talho, com todas as minhas forças, não por ele ter um talho e a bata cheia de sangue (se bem que isso ajude)
Mas por ele ser um homem...

Acerca da Imortalidade

Muito haveria a dizer acerca da Imortalidade!